conta coisas

www.lugarlotado@gmail.com

quinta-feira

breve fábula 1 (continuação)


era um sábado madrugador. Dormira a correr as duas únicas horas que sobrara da noite que amanhecera solarenga.
Entrou no banho com a cabeça ainda a zumbir da noite de rock e com um enjoo inconfundível das bebidas doces do início da noite e das já acres do seu final. 
Banhou-se lenta, julgando estar a apressar-se. A água morna não surtia efeito e num acto de coragem cerrou a água quente e deixou-se violar pela enxurrada gelada. Gritou tão profundamente que acordou certamente a alma mais longínqua.
Saiu a tilintar dente, de frio, de falta de dormir, zangada com todo o universo ao fintar-se no espelho meio embaciado. 
- Meu Deus, como me fizeste tão bonita ao amanhecer!
Seguiu furiosa da sala de banho para o quarto de vestir, sem antes deixar de experimentar o sabor da queda ao enrodilhar-se nos pés uma das pontas soltas do toalhão.
- Fodasse! Bonito...
Um joelho esfarelado e um galo que cantaria meia hora depois.
Estava pronta, as farpelas não condiziam e os adereços eram diminutos para o de costume.
Abriu a porta de saída decidida a enfrentar o dia. Fechou-a de imediato ao sentir um leve cheiro a café vindo de alguma vizinha. Voltou para trás, apanhou o lençol de banho que ficou abandonado, como de castigo, a meio do corredor. Foi à cozinha fazer um café.
Ligou a máquina do café para aquecer e já de pazes feitas com o turco decidiu pendura-lo nas cordas da varanda para secar confortavelmente ao sol. 
O gato. O gato! O GATO?
(continua)
   

4 comentários:

Shiver disse...

Tarde de chuva, a península inteira a chorar
Entro numa igreja fria com um círio cintilante
Sentada, imóvel, fumando em frente ao altar
Silhueta, esboço, a esfinge de um anjo fumegante

Há em mim um profano desejo a crescer
Sinto a língua morta e o latim vai mudar
Os santos do altar devem tentar compreender
O que ela faz aqui fumando
Estará a meditar?

Ai, ui, atirem-me água benta
Ajoelho-me, benzo-me, arrependo-me, esconjuro-a
Atirem-me água fria
Por ela assalto a caixa de esmolas
Atirem-me água benta
Com ela eu desço ao inferno de Dante
Atirem-me água fria

Ai, ui, atirem-me água benta
Por parecer latina suponho que o nome dela
É Maria
É casta, eu sei, se é virgem ou não depende
Da nossa fantasia

Por parecer latina calculo que o nome dela
É Maria
É casta, eu sei, se é virgem ou não depende
Da nossa fantasia

Lynce disse...

Continua, estou a adorar!
Um beijinho

lugar lotado disse...

Shiver obrigada pela letra da música ;)
nós temos a nossa música, verdade? :P

lugar lotado disse...

Lynce isto de breve passou a saga! :)
Por isso vem ler que isto continua e continua e continua...

Beijo