conta coisas

www.lugarlotado@gmail.com

segunda-feira

breve fábula 1 (continuação)


um olhar distante, era o que ela trazia sempre que espreitava à janela. Já não com o mesmo encanto. Era vago, fugidio a padecer ausência. Como quem se desfaz num seu ser e nos olhos deixa deslaçar a paisagem.
Nos olhos grandes, dele, reflectia-se o tombo de quem inventara um sonho. Já não se podia confiar nos olhos daquela gata...
A tristeza assombrava agora a janela nua. Onde já não haviam abraços, já não se despiam o já nus de um dia. Onde já não se perdia muito tempo.
O gato baixou a cabeça, o corpo murchou a sua elegância. Desceu devagar da fonte, caminhou lento, sem saltos vigorosos ou balanços com talento.
Era o silêncio o que passava, a química de outrora era um rasto do que nunca houvera. Ele sentia-se um acetato translúcido. Os olhos dela já não se cruzavam com os dele. E o amanhã não se saberia se um dia fora ou se existira algum dia naquele lugar. 
Enquanto gato, não se lembrava de viver um dia parecido àquele, tão triste. 
(continua)

4 comentários:

Casaert disse...

:D bom

Shalom!

DoiSaboresELA disse...

Dizem que se pode sempre confiar no que os olhos transmitem... Mas quem sou eu para saber destas coisas :D
Um beijo!!!

lugar lotado disse...

Casaert OBRIGADA ;)

lugar lotado disse...

DoisSaboresEla, és uma mulher que sabe dessas coisas ;)

Beijinho
Obrigada por vires a esta mesa com essa frequência doce.